Museu de Ciência e Tecnologia será compartilhado entre Secti e Uneb

Matéria reproduzida da Secti. Link original aqui.

O destino do Museu de Ciência e Tecnologia, primeiro do setor na América Latina, foi decidido em audiência realizada no Ministério Público da Bahia, na sexta-feira (27), último encontro após a formação de uma comissão, em dezembro de 2014, composta por cinco componentes de cada instituição. A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e a Universidade do Estado da Bahia (Uneb) farão uso compartilhado do prédio, que fica localizado no bairro do Imbuí.

A promotora de Habitação e Urbanismo do Ministério Público da Bahia, Hortênsia Pinho, mediadora da audiência elogiou a decisão. “A audiência foi bastante exitosa e trouxe o resultado do trabalho da comissão que, no esforço de diálogo pela busca de soluções sustentáveis, concluiu que a melhor possibilidade é o uso compartilhado do Museu de Ciência e Tecnologia por um prazo provisório. A perspectiva é muito positiva, no sentido que a cidade e estado retomem esse importante patrimônio”, disse a promotora.

O titular da Secti, Manoel Mendonça, afirmou que a secretaria vai interagir de forma mais integrada com a Uneb e outras universidades para tornar o museu espaço de colaboração e interação científica. “O museu será passado à Secti, mas entendemos que a Uneb não pode fazer isso de uma vez só, até para não interromper seu trabalho administrativo. A transição será feita de forma tranquila, pois ficou acordado que iremos ocupar os espaços centrais que possuem um caráter mais museal de exposição e até outubro deveremos abrir para visitação. Essa é a meta”, concluiu.

Entrevista com Ildeu Moreira (UFRJ) sobre difusão científica no Brasil – a Bahia e seu único Museu de C&T fechado

Entrevista concedida a Joana Lopo, Jornal A Tarde, publicado em 13.05.2014.

Entrevista com Ildeu Moreira (UFRJ)

Entrevista com Ildeu Moreira (UFRJ)

A passos lentos…

Faz tempo que nós deixamos de publicar algo sobre o Museu de C&T da Bahia. Não adiantou alarde porque as questões políticas são mais importantes. Ocasionalmente, o Professor Nelson Pretto, da Universidade Federal da Bahia, faz menção à situação do Museu em seus textos. Em 9 de fevereiro de 2014, o Jornal A Tarde publicou matéria e novamente o jornal retoma discussão sobre o fato. Para quem não acompanhe (respectivamente, matérias dos dias 9 e 24.02.2014, na íntegra – clique para ampliar):

Museu 00 Museu 01

Museu II

Até dia 13/12: exposição no MC&T reflete sobre preservação do meio ambiente

Publicado em: http://www.uneb.br/2012/11/28/museu-exposicao-gratuita-sobre-mata-atlantica-comeca-amanha29/

Ampliar o conhecimento sobre a conservação da mata atlântica. Esse é um dos objetivos da exposição itinerante A mata atlântica é aqui, que vai acontecer a partir de amanhã (29), no Museu de Ciência e Tecnologia (MC&T) da UNEB, localizado no bairro de Pituaçu, em Salvador.

A iniciativa, uma parceria entre a ong SOS Mata Atlântica e a UNEB, se estende até o dia 13 de dezembro. A entrada é gratuita e franqueada ao público externo.

A ação prevê atividades que discutem a preservação do bioma, a exemplo de palestras, exibição de vídeos, além de pintura de máscaras.

“Queremos promover uma reflexão sobre a importância de preservarmos não apenas a mata atlântica mas todo o meio ambiente”, destaca Zélia Fajardini, coordenadora de projetos do MC&T.

A exposição, lançada em 2009, conta com dois caminhões baú com espaço para jogos didáticos, palco para apresentações artísticas e palestras, além de sala para a realização de cursos e oficinas.

A mostra itinerante já percorreu mais de 100 cidades do país. Depois de Salvador o caminhão vai visitar mais 14 municípios nas regiões Nordeste, Sul e Sudeste.

De acordo com Zélia, a exposição também é uma chance para conhecer as instalações do museu da UNEB.

“O público vai poder visitar a sala Experidião, que abriga equipamentos de física, além de conhecer o espaço onde será implantado o projeto Trilhas na Mata, que vai promover ações de preservação e recuperação nos 50 mil m² de área remanescente de mata atlântica  que cercam o museu”, conclui a coordenadora.

Informações: MC&T – tel. (71) 3231-9368.

Sirleia Araújo, Núcleo de Jornalismo – Assessoria de Comunicação da UNEB

Sobre o aprendizado

O aprendizado não é determinado por um método, um espaço ou um intermediário, ele é um processo compreendido de vários fatores. Então, o momento de aprender se torna mais importante que o lugar: o que varia é o processo em cada um de nós. Mas um lugar pode contribuir muito nesta rede, e quando este lugar é um espaço recheado de agentes o processo se torna mais flexível e compreensível. Esta era uma condição do Museu de C&T da Bahia, ao se manter como museu interativo e viabilizador do aprendizado lúdico de Ciência & Tecnologia para qualquer visitante.   Além do livro, da sala de aula, do professor, da biblioteca… a curiosidade de um estudante que tivesse, inclusive, dificuldades com conhecimentos de Física ou Matemática, em Salvador especialmente, era ativada com os equipamentos e experimentos interativos do Museu. A interatividade permitia muito. Não desconsideramos a importância e o impacto que o computador (desktops, notebooks, tablets, celulares…) tem oferecido ao homem contemporâneo. Mas, ao comparar a experiência presencial com a experiência virtual, percebemos que compreender um conceito provocando-o na realidade é muito mais interessante que clicar botões. Com o desgaste, abandono e não preservação de equipamentos culturais (museus, centros de ciência, bibliotecas…), proliferam na web os espaços virtuais de aprendizado. Claro, eles são importantes para aqueles que têm dificuldade ou não dispõem do acesso aos equipamentos “reais”. Possibilitam o intercâmbio de conhecimento, enfim. Os louros e benefícios ficam para outro post…

Abaixo, mais uma novidade desta seara:

Empresa em Salvador desenvolve laboratório virtual de física para facilitar aprendizado

Você que é ou já foi aluno de física deve lembrar muito bem de todos os desenhos com planos retos, planos inclinados, carros, bolas, caixas, sem contar nos circuitos elétricos que o professor desenhava no quadro. Quantas vezes você quis saber como seria na prática cada uma daquelas situações? Agora é possível. A Educandus, empresa há 22 anos no mercado de tecnologia educacional, desenvolveu o Newton, um laboratório virtual interativo para geração de simuladores e experimentos de física na internet. O Newton permite que estudantes e professores montem seus experimentos acessando, através do simples click do mouse, os diversos componentes e medidores necessários, de forma semelhante aos modelos reais.

Dotado de login e senha, o laboratório virtual possibilita aos professores monitorarem o aprendizado do aluno através do LMS (Learning Management System), podendo, desta forma, identificar as dificuldades no aprendizado. O Newton traz inúmeras funcionalidades exclusivas que facilitam a compreensão dos fenômenos físicos simulados. O maior envolvimento e a facilidade de compreensão dos assuntos são promovidos pela alta interação proporcionada pelos experimentos e a interface gráfica em alta resolução, contando com recursos 3D. O Newton permite que os experimentos sejam gravados e visualizados por outros usuários: “Se você gravar um experimento no Newton e eu gostar, posso estudá-lo, modificá-lo e gravar como se fosse um novo experimento enriquecendo a biblioteca do laboratório”, explica José Valber Cavalcante, coordenador do projeto.

Os simuladores funcionam como experimentos prontos onde o usuário apenas informa valores para algumas variáveis e assiste a execução do fenômeno sem poder interferir. É possível, por exemplo, montar circuitos elétricos e medir a corrente e voltagem, simular movimentos de corpos sólidos alterando velocidade, atrito, resistência do ar e outras variáveis que possam interferir no movimento proposto. Para isso, o Newton disponibiliza planos horizontais e inclinados, polias, molas, blocos, bolas, medidores de velocidade, tempo, aceleração, peso, referências de atrito, gravidade, elasticidade, massa e muitas outras propriedades e ferramentas.

Além de montar e gravar experimentos referentes aos exercícios proposto em sala de aula, o aluno poderá repetir ou publicar na web o evento gerado, o qual poderá ser analisado posteriormente pelo professor. Este, por sua vez, poderá registrar suas observações para o aluno.

O Newton oferece diversas vantagens para alunos, professores e escolas, permitindo a repetição de experiências, sem custos extras com consumo de materiais, em um ambiente virtual 100% seguro. Além disso, amplia a interação entre professores e alunos facilitando a transmissão do conhecimento de forma dinâmica e atrativa. Isto é particularmente importante na rede pública de ensino, cujos laboratórios reais ou não existem, ou carecem de materiais consumíveis.

Em 2010, a Educandus levou o Newton para uma feira de educação na Inglaterra, onde teve uma excelente repercussão. A equipe observou que lá não havia software similar, com as mesmas funcionalidades que o Newton, o que foi um grande incentivo para que eles continuassem aprimorando o programa. No mesmo ano, o Newton foi apresentado em outra feira internacional, desta vez na Suíça, onde novamente se percebeu a ausência de produtos com suas características. “Vimos, então, que estávamos fazendo a coisa certa, que o Newton tinha seu quinhão de inovação, até mesmo pela procura, pelas visitas que tivemos em nosso stand, com pesquisadores e educadores de diversos países”, conta Valber.

A Educandus desenvolveu o Newton com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB) e da FINEP, através do Edital PAPPE-Subvenção Econômica, com o valor de R$ 480 mil. No momento, este Edital está com inscrições abertas até o dia 03 de agosto, no valor total de R$ 8,6 milhões.

Fonte: http://www.fapesb.ba.gov.br/?p=8721

Site novo só para a garotada!

O iBahia.com, um dos portais de notícia e entretenimento mais conhecidos e acessados da Bahia lançou o Maquinando, um espaço dedicado a crianças e adolescentes que traz jogos, blogs, literatura, curiosidades, dicas culturais, entrevista e muito mais. Como a garotada está cada vez mais plugada na Internet, sites como esses são importantes para contribuir com o desenvolvimento das habilidades e interesses dos jovens pelo mundo que os cerca.

Conheça o Maquinando em http://www.ibahia.com/maquinando

A interatividade é um dos aspectos mais importantes que o mundo virtual dispõe, principalmente quando ela aproxima pessoas de lugares distantes e que estão produzindo e trocando informações além das fronteiras físicas. Mas a falta do convívio em locais públicos e a pouca sociabilidade entre as pessoas está cada vez maior. Não é de todo benéfico trocar a interação social pelo mundo virtual, mas reconhecemos que iniciativas criativas e de boas intenções como o Maquinando são válidas, visto que a violência, a dificuldade de transportes e até o acesso a lugares e espaços públicos atrapalham o exercício da cidadania, o lazer e a produção de cultura.

Se ambientes como o Museu de C&T da Bahia estão de mão em mão no Governo, sendo sucateado e fechado para a visitação pública, nos resta recomendar alternativas para o público.

Mesmo assim, nosso Amigos do Museu acredita que ferramentas como o computador, celulares, tablets, e principalmente a Internet, podem ser coadjuvantes neste cenário. Não é preciso se afastar de todo o convívio com a realidade, com a vizinhança, com a rua, o bairro, a cidade… é importante conhecer os equipamentos culturais que estão à nossa disposição, especialmente os públicos, como a maioria dos museus, parques, jardins, praças e outros espaços.

Qual o papel das ciências? E dos cientistas?

Antes de qualquer julgamento, lembramos que gostamos de usar publicações locais porque são elas que devem estar atentas ao que acontece ao seu redor. Na Bahia, cuja nossa pauta é o Museu de C&T da Bahia, é prático usarmos matérias, vídeos e sites que debatam Ciência & Tecnologia neste Estado. Acreditamos que, desta forma, o público local comece a cobrar pelo que lhe é próximo, a exigir responsabilidade com a educação, a cultura e o entretenimento de qualidade. Nosso Museu continua esquecido, perdido entre construções do futuro Parque Tecnológico da Bahia e na crescente especulação urbana que já invade as terras do Parque Metropolitano de Salvador…

Hoje nosso texto é sobre o desconhecimento de estudantes, não menos que de professores e outros grupos de profissionais, sobre a s ciências e os cientistas, bem como dos cientistas mais próximos. o Jornal A Tarde, novamente, aborda esta questão em um texto interessante. Cliquem na imagem abaixo para ler a matéria ampliada, na íntegra!

E para descobrir mais sobre os cientistas baianos (alguns!), viste o link http://www.youblisher.com/p/45020-Ciencia-com-Dende/. Pode até baixar a pesquisa em formato .pdf.

Desejamos uma boa descoberta!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.